100 anos do empresário Cícero Amorim

 

Uma história de vitórias e conquistas
por Thais Figueiredo

O centenário e ativo Cícero Amorim, natural de Afogados de Ingazeira, no agreste pernambucano, é exemplo de dedicação e luta que o fizeram uma das grandes personalidades de Vitória da Conquista, na Bahia. Desde sua chegada ao sudoeste baiano são cerca de 70 anos dedicados a muito trabalho e esforço que fazem do proprietário da empresa C Amorim, especializada em acabamentos para construções, uma das figuras mais respeitadas da sociedade conquistense.

Mesmo desafiador, 2020 é o ano em que este empresário de sucesso completa 100 anos de vida! E é preciso celebrar a sua vida, conquistas e trajetória. A convite do seu irmão, Amorim mudou-se para o sudoeste baiano após conseguir vender seu comércio no finalzinho de 1950, em Pernambuco. Já em Vitória da Conquista, os negócios começaram como um armazém, depois uma a fábrica de bebidas, depois fábrica de balas. Já em 1962, após fechar as fábricas, fechou o comércio de cereais e passou para o ramo de
ferragens.

Sistema Fecomércio-Ba: É incrível que aos 100 anos o senhor continue ativo nos negócios. A que atribui esta vitalidade?

Cícero Amorim – Parte disso é por conta da minha saúde, agradeço sempre a Deus por estar saudável. O maior responsável é Ele. Procuro viver a vida sem querer controlar o que aparece. Entendo que dificuldades surgem, porém penso sempre que tenho que resolver o que aparece com paz e tranquilidade. Com este pensamento tudo se resolve no seu próprio tempo.

SF – Como definiria a sua trajetória profissional? Quando olha para a sua história, o que sente?

CA – Sempre levei o trabalho a sério e sempre tive muita responsabilidade com meus ganhos. Gastava apenas o necessário, nunca mais do que ganhava. O que sobrava era aplicado no próprio negócio. Controlar os ganhos é o segredo de tudo. Trabalho e equilíbrio definem minha trajetória. Quando olho minha história, sinto satisfação, alegria e paz por ter dado tudo certo – além de muita gratidão a Deus por ter me abençoado.

SF – A economia do país e o comércio mudaram muito ao longo dos anos. Como enxerga essas transformações?

CA – Temos que acompanhar todas as mudanças e ir nos adequando, não tem outro jeito. Mas, se temos controle e equilíbrio, as mudanças podem acontecer que continuaremos
trabalhando e ganhando. Não dá para ir contra as mudanças.
Acho que o mais difícil de dar conta é a carga tributária que é
muito grande. Penso que hoje em dia, está mais difícil para o
empresário.

Cícero Amorim, diretor do Sincomérciovc, recebe placas comemorativas das mãos do presidente João Luiz dos Santos Jesus e diretores Júlio Cesar Cairo e Mozart Bulhões

SF – Como a pandemia impactou os seus negócios?
CA – O setor de material de construção, por ser serviço essencial, não precisou fechar, diferente de outros setores. As pessoas passaram a fazer mais reparos em casa, o dinheiro que em outros momentos era gasto com supérfluos passou a ser investido na própria casa. Foi um dos poucos setores que não teve queda.

SF – Como você definiria o momento de hoje em nosso país?
CA – A situação do país e do mundo é bem difícil, neste momento. Porém, sempre acredito que tudo sempre pode melhorar. Com uma boa administração e um olhar mais rígido
sobre a corrupção, tudo poderá ficar melhor.

SF – Que legado o senhor gostaria de deixar para Vitória da Conquista e para quem acompanha a sua trajetória?
CA – Desejo que a cidade continue a crescer e que as pessoas possam crescer junto com a cidade. Tudo acontecendo com muita paz, sempre.

Fonte: Revista do Sistema Fecomércio-Ba – novembro/2020